sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Salão de Jantar I


Nos princípios do século XVIII não havia uma divisão com esta designação nas habitações nacionais. Regra geral, em cada casa existia um tampo, montado sobre cavaletes: esta estrutura, que se montava rapidamente, depois de finda a sua função era novamente guardada, sem ocupar muito espaço.
Só na 2ª metade de setecentos é que o Salão de Jantar, enquanto uma divisão especifíca, com uma identidade própria, se autonomiza entre nós.
Na sua decoração óptamos por usar os papéis fornecidos pela Planeta Agostini: fizémos as molduras em madeira e dourámos. Embora não seja um tipo de decoração parietal muito comum entre nós, foi usado em alguns espaços nobres portugueses.

Na decoração dos painéis usámos os elementos mais comuns da decoração desta época: as gravuras. Eram mais acessíveis que as pinturas e desde a sua invenção e divulgação em Portugal que tiveram um lugar privilegiado no interior dos lares nacionais.
Que temas? Em relação ao nosso palacete, embora a sua edificação tenha começado no início do século XVIII, ao que se seguiu a colocação de alguns elementos (como os azulejos de figura avulsa da cozinha e os painéis do Salão de Entrada), ele pertence, no campo das Artes Decorativas, à segunda metade do séc. XVIII, mais em concreto ao período de charneira entre o reinado de D. José e os primeiros anos do reinado de D. Maria (com peças herdadas de períodos anteriores, como o Contador e os Pratos de Aranhões da cozinha).
Assim, achámos por bem destacar em grande plano uma reprodução de uma gravura que é um projecto de reconstrução da Baixa Lisboeta, em particular da Praça do Comércio, pós terremoto de 1755.

Está ladeada de duas gravuras religiosas, da devoção dos donos da casa, como era comum nos interiores. Todas as molduras foram feitas por mim, em balsa. Nos painéis mais pequenos coloquei os apliques, embora os tenha transformado em luminárias (a luz do espelho reflectia a luz das velas e duplicava a luz).


A Planeta Agostini ainda não entregou a balaústrada.
No entanto, quero ressaltar que este é o grau zero da Sala de Jantar, pois tenho ainda muitos planos para a mesma, que já comecei a pôr em prática, no intuito de aportuguesar a divisão e de a mobiliar. Uma dessas alterações foi o arrancar do papel autocolante do chão e colocar taco de madeira e encerar...

9 comentários:

rute disse...

Olá C.Fernandes!Eu sou a Rute e pioneira neste mundo das miniaturas, construindo a minha primeira casa de bonecas.Estou a fazer este comentário para me dar a conhecer e quem sabe até trocarmos ideias.Deixo um convite para visitar o meu blog, onde vou referenciar o seu na minha lista de preferidos.Parabens pelas suas habilidades, são magnificas.Beijinhos Rute.

C. Fernandes disse...

Olá Rute

Eu tenho andado atenta ao teu blogue...
Em particular em relação à tua excelente dia de fazer chão com papel autocolante: em vez de o usar como é usual, a tua ideia de o recortar como se fossem tacos de madeira é óptima, porque o resultado é muito interessante!
Estou curiosa para ver resultados e desejo-te e à tua mãe um bom trabalho!

C. Fernandes

Ritchie disse...

opah, assim não vale. tive a mesma ideia que tu em relação às luminárias só que tu soubeste como fazêlas e eu não! ficaram um espectaculo bem como o restante aspecto da divisão.
gosto do facto de que faças as coisas com requinte e tudo tem aquele pormenorzinho que faz toda a diferença. como executaste as decorações nas molduras de balsa? ficaram lindas.
mais uma vez, e como tem sido hábito. os meus parabéns pela divisão

Biby disse...

Olá Cfernandes!
Gostei muito de ver a sala de jantar. Já agora o que utilizas-te para fazer os cantinhos das molduras? São stickers?
Beijinhos
BIBY

C. Fernandes disse...

Olá amigos

As molduras foram feitas assim: cortei, em balsa, dois tipos de ripas: uma com 0,4 e a outra com 0,8 com. Pintei as duas de dourado (purpurina de ouro velho) e depois de perceber que medidas para os painéis, colei o papel da Planeta Agostini em cartões e envernizei com verniz mate.
Só depois e à medida, com os ângulos a 45º cortei as molduras mais largas e colei e depois, por cima, as mais finas.

No fim e com tudo bem seco, colei stickers (linhas verticais) nas parte interior das molduras (como se fosse um friso de outro dourado) e no final coloquei os stickers a fazer os ângulos.

Para os espelhos das luminárias: tinha aqui um espelho das lojas dos chineses que era só de folha, dos que se cortam à tesoura. Fiz duas ovais e em seu torno coloquei stickers também.

E pronto.
Caso tenham dúvidas, continuem a colocá-las!
Isto deve ser um espaço de reflexão, discussão e de divulgação de ideias.

Um beijinho

Ritchie disse...

Eu vou voltar ao ataque com as dúvidas... mas onde, onde é que vocês arranjam esses stickers?

è que eu ando nestas andanças á pouco tempo e sinto-me um tótó. toda a gente fala em stickers para aqui, e stickers para ali e eu nada de perceber onde se arranjam nem o que são :(

Santa ignorãncia!

Seja como for, ficaram xiquissimos!!!!

Ana Anselmo disse...

Gostei imenso do resultado visual das gravuras, com o fundo de papel e as cercaduras.
Se isto é o "nível zero", bem não sei o que virá por aí...
continuação de bom trabalho
Ana

carla disse...

Olá amiga.... Estou encantada com o Salão de Jantar... Sóbrio e muito elegante !!... Os quadros e a maneira como os dispuseste ficaram excelentes !! bjinhos

Carla Gabriela disse...

Adorei o teu salao do palácio das bonecas está com muito requinte e bom gosto, parabens!!!

Beijinhos

Vou colocar o endereço do teu blog no meu.